Na Mídia

Oi, o que você está procurando?

Cacoal

STF rejeita habeas corpus e mantém pena de ex-prefeito Zé Rover

stf-rejeita-habeas-corpus-e-mantem-pena-de

A denúncia contra Zé Rover, como é conhecido, aponta que ele recebia cheques ou valores em espécie e repassava a quantia para assessores, que os depositavam em contas pessoais e, posteriormente, transferiam o montante para empresas ou pessoas indicadas pelo então prefeito de Vilhena. O caso foi revelado em 2015 após uma operação da Polícia Federal.

O ex-prefeito recebeu uma condenação inicial de sete anos e cinco meses de reclusão pelo juízo da 4ª Zona Eleitoral de Vilhena. Contudo, o Tribunal Regional Eleitoral de Rondônia (TRE-RO), ao julgar um recurso, reduziu a pena para cinco anos, dois meses e 15 dias.

Após a negação do recurso pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), a defesa recorreu ao STF alegando que o crime de lavagem de dinheiro não estaria configurado, sendo uma mera consequência do crime antecedente. Com isso, a defesa pediu o encerramento do cumprimento da pena.

Na decisão monocrática, de segunda-feira (15), o ministro Gilmar Mendes observou que o habeas corpus foi apresentado por Rover quase três anos após a condenação definitiva, como substitutivo de revisão criminal.

Mesmo que não haja um prazo definido para impetração de habeas corpus, segundo o STF, Gilmar Mendes argumentou que a passagem desse tempo evidencia “um comportamento processual incompatível com a alegação de violação a direito”. Além disso, o ministro afirma não ter identificado ilegalidades no caso que justificassem a concessão do pedido.

Com essa decisão do STF, a execução da pena de José Luiz Rover permanece em vigor. O g1 tenta contato com a defesa de Rover.

Operação há oito anos

Em novembro de 2016, a operação Áugias, da Polícia Federal, apontou que Rover era o chefe de uma organização criminosa que atuava no poder executivo. Mais de R$ 5 milhões teriam sido desviados da prefeitura em seis anos. No esquema, participavam ex-secretários municipais, servidores e empresários.

O dinheiro era desviado principalmente da Secretaria Municipal de Comunicação (Semcom) e da Secretaria Municipal de Obras (SEMOSP), mediante processos administrativos de reconhecimento de dívidas, nos quais empresas eram contratadas sem licitação.

Aviso Legal: Comentários e Opiniões

Os comentários e opiniões dos usuários são de responsabilidade exclusiva de seus autores. O Grupo Cacoal NEWS não endossa nem se responsabiliza por qualquer conteúdo expresso nos comentários, e reserva-se o direito de remover, modificar ou não aprovar comentários que violem nossas políticas editoriais ou que possam ser considerados inadequados.

Postar Comentário

Responder

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

VEJA TAMBÉM

Cacoal

Colisão fatal deixa comunidade em choque e levanta questões sobre segurança viária na região.

Economia

Descubra se utilizar todo o limite do cartão de crédito realmente resulta em aumento do limite e os riscos financeiros associados a essa prática!

Cacoal

Em seguida, as atividades serão retomadas no rio Pirarara, em Cacoal, e na microbacia do rio Pimenta, em Pimenta Bueno.

Cacoal

O nome da operação, "Vértice", faz referência à sua conexão com a Operação Paralelo da Polícia Federal em 2020, ao identificar novos integrantes do...

Publicidade